Início Brasil Vídeo: “Vizinhos não aguentavam ver a dor”, diz pai de bebê morta...

Vídeo: “Vizinhos não aguentavam ver a dor”, diz pai de bebê morta pela mãe

4
0

Inicialmente Mãe da menina, adolescente de 17 anos, e padrasto são apontados pela polícia como responsáveis pela morte da bebê de 1 ano e 10 meses.

A morte da bebê Maria Sofia da Silva Flora, de 1 ano e 10 meses, poderia ter sido evitada.

É isso o que pensa a família paterna da menina, morta no dia 7 de fevereiro pela mãe, uma adolescente de 17 anos, e pelo padrasto, Mateus Monteiro do Nascimento, 20.

VEJAM

Por mais de oito meses, o pai da menina tentou sem sucesso conquistar a guarda da criança.

O pai de Sofia, João Vitor Silva Flora, fez uma peregrinação em busca da ajuda de autoridades.

Ele acionou os conselhos tutelares de Cabo Frio, de Arraial do Cabo e de Santa Cruz, além da Defensoria Pública de Arraial do Cabo.

Embora tivessem atuado de diferentes maneiras, os órgãos não conseguiram mudar a situação da bebê.

Ao Metrópoles, a família paterna da menina contou ter recebido denúncias de maus-tratos contra a criança.

O pai chegou a publicar materiais no Facebook.

No Facebook, o pai diz que os vizinhos contaram que Sofia estava sofrendo maus-tratos e que a cada dia aparecia com um machucado diferente e, inclusive, estava com o braço quebrado.

“Os vizinhos contaram que estavam procurando alguém da família para contar o que Sofia estava passando, pois não aguentavam mais ver o sofrimento da menina”, disse João Vitor no Facebook.

Desde julho do ano passado, o pai biológico e a avó paterna buscaram a menina em diversas partes do estado.

A mãe e o padrasto mudavam de endereço constantemente, o que dificultava a localização da bebê.
“A gente estava procurando ela há oito meses. Nós recebíamos as denúncias e íamos onde sabíamos que ela estava. Não tivemos ajuda nenhuma, nem da defensoria e muito menos do conselho tutelar”, diz Romilda Nunes, avó paterna de Sofia.

Agora, a avó e o pai biológico da menina estão em busca de justiça.
“Hoje a gente quer justiça, mas quando soubemos dos primeiros episódios, só queríamos pegar a Sofia e cuidar dela”, concluiu.

A defensoria confirma que foi acionada e que inicialmente o pai fez a denúncia, mas não sabia onde a criança estava.

Em novembro do ano passado, quatro meses depois, ele apresentou mais informações.
“Imediatamente (24 de novembro), foi formulado pedido para que a filha fosse reintegrada a seu convívio, até porque o acolhimento, por expressa disposição legal, é excepcional. O pedido, após manifestação contrária do Ministério Público, não foi imediatamente acolhido, tendo sido determinada análise mais aprofundada de toda a situação familiar (decisão de 7 de janeiro de 2022)”, explica.

O órgão afirma que “segue acompanhando o caso e está à disposição para quaisquer dúvidas”.

Relembre o caso
As investigações concluíram que Maria Sofia Flora teve traumatismo craniano encefálico, de acordo com o laudo de necropsia do Instituto Médico Legal (IML).

A criança foi morta em 7 de fevereiro e teve morte encefálica causada pela síndrome do bebê sacudido, chamada de Shaken baby.

O inquérito da Polícia Civil sobre o caso foi divulgado na segunda-feira (7/3) e concluiu que a mãe e o padrasto foram os responsáveis pela morte da menina.

Os dois foram presos na última sexta-feira (4/3) em Realengo, zona oeste da cidade.

https://www.metropoles.com/brasil/vizinhos-nao-aguentavam-ver-a-dor-diz-pai-de-bebe-morto-pela-mae

Artigo anteriorSuspeitos de se passarem por desembargadores para aplicar golpes em políticos no Maranhão são presos em Goiânia
Próximo artigoTrem de passageiros da Ferro Carajás, que liga PA ao MA, deve retomar viagens neste sábado (12)
Jornalismo Faculdade Estácio MA Especialistas em Marketing Digital RP -19-03MA Blogueira por paixão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui