Estuprada pelo padrasto menina de 10 anos espera gêmeos


Uma menina, de 10 anos, engravidou de gêmeos após ser estuprada pelo padrasto em Governador Valadares (MG).

A Polícia Civil de Minas Gerais abriu na quarta-feira 20/01 um inquérito para investigar o crime. A mãe da criança, de 28 anos, também está grávida do suspeito, que era companheiro dela.

De acordo com a polícia, a menina está com 14 semanas e a mãe com 23 semanas. As duas foram ao hospital da cidade para decidir se a gestão da menina será interrompida.

Segundo as investigações, a menina era abusada desde os 6 anos e o homem também a obrigava a fazer sexo oral nele.

Conforme o depoimento da mãe à polícia, ela descobriu que a filha estava sendo estuprada após estranhar o atraso da menstruação da menina e levá-la ao hospital na terça-feira (19).

Na unidade de saúde, os médicos descobriram que ela estava grávida e a menina contou que o padrasto tinha feito isso com ela.

No mesmo dia, a mãe foi questionar o homem sobre o ocorrido e foi agredida por ele. “A mãe foi para casa e foi para cima do padrasto, agrediu ele, xingou e ficou revoltada.

O suspeito se defendeu das agressões e também agrediu a mulher com empurrões. Ela ficou com marcas do crime”, afirmou a delegada Adelina Xavier Santos ao jornal O Tempo.

Segundo a mãe, o padrasto da menina confessou os crimes. O casal estava junto há cinco anos. A mulher tem quatro filhos, sendo dois do suspeito e dois de um relacionamento anterior.

A polícia irá investigar se as outras crianças também foram molestadas.

“A mãe disse que nunca desconfiou de nada e que o ex-companheiro sempre foi um pai muito presente. O homem não tem ficha criminal. A menina de 10 anos é a mais velha dos filhos”, explicou Adeliana.

Após a denúncia do caso na terça-feira (19), a polícia procurou o suspeito, mas ele havia fugido.

Nesta quarta-feira, o homem ligou para a mãe dizendo que estava em Conselheiro Pena, mas que pretendia sumir com medo de ser agredido ou morto.


De acordo com a delegada, a polícia vai pedir a prisão dele e solicitar que o Conselho Tutelar da cidade acompanhe a família. A criança também já passou por exames no Instituto Médico Legal (IML).

As informações são do jornal o tempo.

COTIDIANO

Virginia barrosoAuthor posts

Estou blogueira porque sou Jornalista com RP 1903/MA Amo a comunicação, pois sem ela o entendimento seria impossível. Obrigada aos amigos e leitores do site. Sejam bem vindos ?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WhatsApp Contate-nos