Início Sem categoria Brasil tem 973 mortes por tétano em 9 anos; doença ainda é...

Brasil tem 973 mortes por tétano em 9 anos; doença ainda é problema de saúde pública, diz ministério Com vacina disponível desde os anos 1950, tétano infectou 2939 brasileiros entre 2007 e 2016. Homens pardos e aposentados são os mais afetados, diz Ministério da Saúde.

0
0
Vacina disponível no Brasil  protege contra a coqueluche,difteria e tétano (Foto: Marlon Tavoni/EPTV)
Vacina disponível no Brasil protege contra a coqueluche,difteria e tétano (Foto: Marlon Tavoni/EPTV)

A vacina antitetânica passou a ser disponibilizada no Brasil nos anos 1950, mas 973 brasileiros morreram pela doença entre 2007 e 2016, diz boletim sobre o tétano divulgado esta semana pelo Ministério da Saúde. Entre os casos — foram 2939 infecções no período analisado — a maioria é de quem não tomou a vacina ou deixou de tomar alguma dose de reforço.
Hoje, a vacinação contra o tétano é dada em três doses na infância — e especialistas aconselham ainda o reforço a cada dez anos. O Ministério da Saúde alerta que a imunização só é garantida após o indivíduo completar todas as doses. Quem não tomou na infância, pode começar a imunização na idade adulta.
Dentre os casos de tétano confirmados no Brasil, muitos são os que sequer sabiam que tinham tomado a vacina. Dentre os que sabiam, 31,4% nunca tinha se vacinado e 13,5% tomou apenas uma dose. A partir da segunda dose, o índice de infecção diminui: 1,9% tomou duas doses; 2,2% (três doses); 2,6% (3 doses + 1 reforço); 0,7% (3 doses + 2 reforços).
Apesar de prevenível com o imunizante, o tétano tem uma alta mortalidade, informa o governo, com 33,1% de mortes entre os casos. De cada 100 pessoas que adoecem, cerca de 35 a 40 morrem.

“O tétano é um importante problema de saúde pública, pois apresenta alta letalidade e tratamento de custo elevado”, conclui boletim da Secretaria de Vigilância em Saúde, órgão do ministério responsável pelos dados.

Causada pela bactéria Clostridium tetani, o tétano não é contagioso (não se pega de pessoa pra pessoa). A doença ocorre quando ao indivíduo tem um ferimento profundo e há a introdução da bactéria em grandes quantidades nessas lesões.
A maioria se machuca em casa (31,5%) ou em vias públicas (17,7%). O Ministério da Saúde informa que 73,1% dos casos ocorreram em áreas urbanas.

Casos confirmados de tétano no Brasil (2006 – 2017)

<img class="i-amphtml-fill-content i-amphtml-replaced-content" src="data:;base64,

Fonte: Secretária de Vigilância em Saúde/MS

No total, 5.224 casos suspeitos foram notificados ao Ministério da Saúde. Em 44,5% dos casos, a principal porta de entrada para a doença foi ferimento por perfuração, principalmente nos membros inferiores (66,0%)
Entre os mais infectados estão indivíduos entre 35 e 64 anos (56,7%), do sexo masculino (84,5%) e de raça parda (50,0%). Em relação à escolaridade, 38,1% dos indivíduos tinham até o ensino fundamental, e em torno de 5,7% eram analfabetos.

“Aposentados, pedreiros, donas de casa e trabalhadores agropecuários foram os mais acometidos, totalizando 58%” — Ministério da Saúde.

A doença começa com uma febre baixa, rigidez muscular e espamos e contraturas. “Em geral, o paciente se mantém consciente e lúcido”, informa documento do ministério. A internação deve ser imediata e o tratamento consiste em neutralizar a ação da bactéria e controlar os sintomas, diz o Ministério da Saúde .
Via G1

Artigo anterior"Quero conversar com PDT, PT, PCdoB. Mas não significa aliança", diz Rodrigo Maia, presidenciável do DEM
Próximo artigoCampanha de vacinação contra a gripe é prorrogada até o dia 22 de junho As vacinas para grupos de risco estão sendo disponibilizadas pela Prefeitura de São Luís, gratuitamente, nos postos da rede municipal de saúde, em diversos bairros
Jornalismo Faculdade Estácio MA Especialistas em Marketing Digital RP -19-03MA Blogueira por paixão

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui